BrLab 2017

Comissão de Seleção

  • Andrea Cals

    Andréa Cals é consultora de projetos audiovisuais, curadora de festivais de cinema e apresentadora formada em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense. Nos últimos quatro anos foi curadora, produtora e apresentadora do Canal Curta!, canal independente da tv por assinatura. É criadora e apresentadora do programa radiofônico semanal especializado em cinema brasileiro, CINEMA EM SINTONIA, transmitido desde 2009 pela Rádio Roquette Pinto (RJ). Foi Coordenadora Geral e apresentadora por dez anos (2003 – 2012) da Mostra Première Brasil do Festival do Rio/Rio International Film Festival. Foi curadora da Mostra Meu Primeiro Longa, exibida na Cinemateca do MAM/RJ. Produtora do Festival de Cinema Brasileiro em Israel.

  • Beatriz Carvalho

    Produtora. Formou-se em Cinema pela FAAP, cursou Mise en Scène Documentaire na École Supérieure D’Études Cinématographiques – ESEC (Paris, França) e é pós-graduada em Formação Executiva em Cinema e TV pela FGV (São Paulo, 2006). Produtora executiva e diretora de produção de longas-metragens e séries para televisão como são of filmes Sobre Rodas (Mauro D’Addio, 2017), Um Casamento (Mônica Simões, 2016), Zoom (Pedro Morelli), Boca (Flavio Frederico), Estamos Juntos (Toni Venturi), Carmo (Murilo Pasta), Fim da Linha (Gustavo Steinberg) e as séries Passionais (Henrique Goldman), Contos do Edgar (Pedro Morelli) e Som e Fúria (Fernando Meirelles).

  • Davi Pretto

    Davi Pretto (Porto Alegre, 1988) foi curador e produtor de mostras exibidas em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo. É sócio da Tokyo Filmes, produtora que teve seus filmes exibidos em festivais como Cannes, Berlim, Locarno e Toronto. Desde 2014, é diretor do Plataforma:Lab, laboratório para longas-metragens brasileiros, sediado em Porto Alegre. Dirigiu dois longas-metragens, ambos estreados na mostra Forum do Festival de Berlim: CASTANHA (2014) foi exibido em festivais como Rio de Janeiro (Melhor Filme Novos Rumos), Bafici (Prêmio Feisal Menção Especial), Hong Kong, Edinburgh e Havana. RIFLE (2016) foi premiado nos festivais de Brasília (Prêmio da Crítica), Jeonju (Grand Prize) e Salvador (Melhor Filme).

  • Eva Morsch Kihn

    Formada em Administração de Organizações Culturais na Universidade Paris Dauphine, Eva Morsch Kihn tem também licenciatura em Estudos de Cinema e em Literatura e Cinema. Atualmente, administra a plataforma profissional do principal festival de cinema dedicado ao cinema latino-americano na Europa: o Festival Rencontres Cinémas d’Amérique Latine em Toulouse. A plataforma de Toulouse reúne três encontros: Cine en Construcción (apresentação de trabalhos em andamento), Cine en Desarrollo (apresentação de projetos) e CinemaLab (oficina para o profissional da difusão). Eva é membro do comitê de seleção do Cine en Construcción e curadora da seleção de curtas-metragens para o festival. Além disso, é membro das comissões de seleção de projetos para o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento de Roteiros de Amiens e para o Fundo Regional de Midi-Pyrénées. Regularmente participa de atividades e oficinas como tutora e palestrante.

  • Flavia Candida

    Flavia Candida é curadora, cineasta e produtora oriunda do curso de Cinema da UFF. Começou sua carreira como programadora em meados dos anos 1990 no Cine Arte UFF e coordenou por mais de 15 anos o Festival Brasileiro de Cinema Universitário. Colabora em festivais e mostras como Curta Cinema, Festival do Rio, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia Mostra Curtas. Como analista e consultora de projetos colaborou na seleção de laboratórios como BR Lab, Plataforma Lab, ICUMAM Lab e consultoria no Laboratório de Projetos do Curta Cinema 2015. Também fez parte da comissão de seleção do Edital Elipse de curtas-metragens universitários (Secretaria de Estado de Cultura do Rio) e do FUNCULTURA 2016 em Pernambuco nas linhas de pesquisa, formação e difusão. Dirigiu o curta O Metro Quadrado, vencedor do Prêmio Especial do Júri no Festival de Brasília em 2002.

  • Francine Barbosa

    Francine Barbosa é roteirista e professora de roteiro. Trabalhou como roteirista no desenvolvimento do longa metragem “A Cidade Aqui Dentro”, das séries de televisão “Corumbá”, “36 Horas” e “Existe Amor em SP/Estranho Casal”, e dos curtas metragens “A Navalha do Avô” e “Cerimônia”. Ministrou oficinas na Biblioteca São Paulo, Academia Internacional de Cinema, Oficinas Tela Brasil e Programa VAI, entre outros. Participou das comissões de seleção do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, ProAC-SP e da Secretaria de Cultura do Estado de Goiás. É parecerista de diversas linhas do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA desde 2015.

  • Maíra Bühler

    Maíra Bühler é diretora, roteirista e antropóloga. Co-dirigiu o documentário longa metragem Elevado 3.5 (2006), melhor filme no festival “É Tudo Verdade”, 2007 e os filmes Ela Sonhou Que Eu Morri (2011), melhor direção no festival de Paulínia (2011) e Viña Del Mar (2012) e A Vida Privada dos Hipopótamos (2014), estreado no FiD Marseille em 2014, prêmios da crítica (CineCeará, 2014), melhor filme (Juri de Cineclubes no festival português de Santa Maria da Feira) e montagem (Festival do Rio, 2014). Na televisão, criou e dirigiu a série “”Convesa de Salão”” (GNT, 2011), co-dirigiu o telefilme Fios de Ovos (TV Cultura, 2011) entre outras realizações. Atualmente finaliza seu quarto longa, “”Um Leão Por Dia”” e prepara sua primeira ficção, “”R de Rita”.

  • Marcela Lordy

    Cineasta e roteirista. Nasceu em São Paulo, Brasil. Graduada em cinema na FAAP, estudou direção de atores na EICTV, em Cuba. Entre o cinema, a televisão e as artes visuais seus filmes ‘Sonhos de Lulu’ (2009), ‘A Musa Impassível’ (2010), ‘Aluga-se’ (2012) e ‘Ouvir o Rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles’ (2012) foram programados em festivais como Toulouse, Bafici, Havana, Rio, Shangai, Huesca e exibidos a convite na 31ª Bienal de Arte de SP, Museu da Língua Portuguesa e 11ª Flip. Seu trabalho questiona a interface entre o homem e o meio em que vive e explora as relações afetivas em suas mais diversas formas.

  • Marcio Miranda Perez

    Marcio Miranda Perez é editor e curtametragista; estudou Cinema e Vídeo na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Seus trabalhos como realizador de curtas-metragens foram exibidos e premiados em festivais no Brasil, Argentina, França, Espanha, Chile, EUA, Portugal, Cuba e Polônia, entre outros países; seu roteiro de curta-metragem “Lightrapping” foi contemplado com o Prêmio Estímulo da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo em 2014. Entre seus trabalhos em montagem, também premiados, estão diversos curtas e longas-metragens entre ficções, documentários e animações. Atua dentro do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo desde 2004 como coordenador dos programas latino-americanos, na coordenação de programação do Festival Mix Brasil desde 2014 e também no comitê de seleção da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental desde 2015. Supervisionou por vários anos os trabalhos de edição das Oficinas Kinoforum de Realização Audiovisual, um curso de introdução à linguagem audiovisual em comunidades de São Paulo. Como jurado de comitês de seleção e premiação, participou também de inúmeros festivais de cinema no Brasil, Chile, Argentina e Colômbia.

  • Marina Torre

    Marina Torre é mestranda em Curadoria em Artes Visuais pela UNTREF (Buenos Aires) e graduada em Cinema pela FAAP. Coordena, desde 2016, a produção do BrLab e os laboratórios de desenvolvimento de projetos do Prodav 4 2013/2014 da Ancine organizados pela Klaxon Cultura Audiovisual. Pela Associação Cultural Videobrasil foi assistente de curadoria da exposição Memórias inapagáveis, no SESC Pompeia e também pesquisadora e produtora de projetos tais como a instalação Videobrasil 30 anos, a Mostra Panoramas do Sul, as exposições Joseph Beuys: A Revolução Somos Nós, Chelpa Ferro: Acusma e Sophie Calle – Cuide de Você, além de projetos de ativação da Videoteca, encontros com artistas, seminários e pesquisa para curadorias do acervo.

  • Mauricio Kinoshita

    Pós-graduado em Administração de Organizações Culturais e Criativas pela Universidade de Buenos Aires, formado em Cinema pela FAAP e especialista em Semiótica Psicanalítica pela PUC-SP. Trabalhou na produção de filmes dirigidos por Hector Babenco, Tizuka Yamasaki e Guilherme de Almeida Prado, e desde 2002 produz a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Também teve breves passagens pelo teatro e editoras, assim como pelo curta-metragem documental. Seu curta Hibakusha: herdeiros atômicos no Brasil foi um dos contemplados do Prêmio Estímulo de 2005 e premiado no É Tudo Verdade em 2007.

  • Rafael Sampaio

    Rafael Sampaio é diretor geral do BrLab, produtor e sócio fundador da produtora Klaxon Cultura Audiovisual. Formou-se em Cinema pela FAAP (São Paulo, 2002), cursou Máster em Estudos Teatrais e Audiovisuais (Universidade da Coruña, Espanha) e Especialização em Vídeo e Novas Tecnologias Online-Offline (MECAD-Barcelona). Atua também, desde 2001, como produtor e programador de mostras e festivais de cinema. Foi programador de cinema em diversos espaços culturais tais como Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS, Cinemateca Brasileira e Cine Olido, além de ter produzido mostras e festivais como Jornada Brasileira de Cinema Silencioso, Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul, Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, entre outros. Atua também como coordenador de cursos e plataformas para formação profissional como os Laboratórios de Desenvolvimento de Projetos do Prodav 4/2013 e 2014, para diferentes tipologias (séries de ficção, séries de animação, séries documentais e longas de ficção e animação). Pela Klaxon é ainda produtor dos filmes O PACOTE (curta-metragem, Rafael Aidar, 2012), SOBRE RODAS (longa, Mauro D’addio, 2017), UM CASAMENTO (longa-metragem, Mônica Simões, 2017), entre outros projetos audiovisuais da produtora em finalização e desenvolvimento.

  • Paula Astorga

    É formada no Centro de Capacitación Cinematográfica, se especializou em Direção e Produção (1999). Depois de muitos anos dirigindo comerciais e videoclipes, passou a atuar como promotora do audiovisual e como produtora. Em 2004 fundou o Festival Internacional de Cinema Contem – porâneo FICCO (2004-2008). Em 2010 assumiu a direção geral da Cinemateca Nacional do México (2010-2013). Participou como jurada no BAFICI, Miami International Film Festival, RMFF, FICUNAM, FIC Valdivia, Seminci em Valladolid, na Quinzena de Realizadores do Festival de Cannes para o Prêmio Europa Cinemas Label, e recentemente no Festival de Mar del Plata.