Mato seco em chamas

No ano de 2013, a Polícia Militar do Distrito Federal desencadeou uma grande operação de combate ao tráfico de drogas em Ceilândia, periferia de Brasília, desarticulando várias pequenas redes de comércio ilegal. Dezesseis homens foram presos. Um ano depois, as companheiras destes homens assumem o negócio. Rapidamente elas estabelecem o seu próprio espaço de ação, impondo novos códigos, reorganizando modos de produção e criando novas relações de trabalho. Sua disputa por poder econômico, simbólico e territorial lentamente se transforma numa guerra. Elas clamam espaço para o corpo feminino periférico e seus próprios códigos de ação. Elas são o mapa de um novo território.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

País: Brasil - Portugal

Valor Estimado: US$ 500,000.00

Valor Captado: US$ 5,000.00

Direção

  • Adirley Queirós e Joana Pimenta

    Adirley Queirós mora em Ceilândia. É diretor, roteirista, montador e ministra cursos de Realização Cinematográfica. Realizou os longas Branco sai, preto fica e A cidade é uma só?, que receberam mais de quarenta prêmios no Brasil e no exterior.
    A realizadora Joana Pimenta nasceu em Lisboa. Seu mais recente filme ganhou a competição internacional do IndieLisboa e foi exibido nos festivais de Toronto e Nova York, entre outros. Trabalha com o Sensory Ethnography
    Lab da Harvard University.

Produção

  • Julia Alves

    Julia Alves trabalha com projetos independentes para TV e cinema desde 2009. Lançou com Silvia Cruz a produtora Punta Colorada de Cinema, com o objetivo de apoiar projetos de jovens talentos brasileiros e criar parcerias com diretores reconhecidos em âmbito internacional.